fbpx

Estude no Exterior: veja o que você precisa saber antes de fazer o seu intercâmbio de férias na França

Bonjour les gens. Sou o Marcos Barbosa, estou fazendo um intercâmbio no sul da França, na região Côte D’Azur, mais conhecida como Riviera Francesa. Sendo bem específico, em Nice. Vim estudar francês em uma escola muito renomada e reconhecida em todo o mundo, chamada International House. O meu curso é composto por carga horária de 20 lições/semana, as aulas iniciam às 9h e finalizam às 13h.

A minha rotina aqui no intercâmbio é bem interessante. Costumo acordar todos os dias por volta das 7:30h para tomar banho, saborear o café da manhã e ir à escola. Ao longo do dia, sempre tenho muitas atividades por fazer.

O pessoal do blog #GenteQueViaja me convidou para contar um pouco mais sobre essa experiência incrível de estudar no exterior. Então, separei abaixo algumas das principais dúvidas que as pessoas costumam ter quando se trata desse tipo de intercâmbio. Confiram:

Onde moro e como é a rotina durante o meu intercâmbio na França?

Por sorte e muita competência da agência Globe Trotter, o diretor da escola International House pegou o programa de host family e estou hospedado numa MANSÃO, localizada à 15 minutos da escola. A mansão está dentro de um condomínio fechado no centro da cidade de Nice, a madame Rubinstein, esposa do diretor, e sua filha Lily de 8 anos me acompanham durante o dia inteiro.

Após as aulas, frequento os pontos turísticos da cidade, sempre procurando orientação por parte de algum funcionário para treinar minhas habilidades no idioma e também para que eles me expliquem sobre todo o contexto histórico e social do lugar.

Particularmente, sou bem exigente em relação à alimentação, pois, além de gostar de me alimentar bem e muito, rsrs tenho resistência com certos tipos de comidas. Me adaptei muito facilmente à cultura gastronômica da França: são pratos saborosos e diferentes que aguçam o paladar.

Não é atoa que eles gastam em média 2 horas e 20 minutos diários com alimentação, enquanto a média mundial gira em torno de 1 hora e 20 minutos. Mas todo esse tempo é facilmente compreendido quando a gente vivencia a experiência na prática: eles oferecem uma refeição de entrada, prato principal e sobremesa.

Além dos restaurantes e cafés, gosto de frequentar os supermercados, pois quero entender sobre a cultura de compra dos franceses. Outro hobbie que mantenho por aqui é a visita a promenade des anglais para apreciar a vista sensacional da paisagem. A noite não se tem muitas opções para sair, principalmente meio de semana. Assim, costumo estudar e jantar antes de ir dormir.

Por que escolhi Côte D’Azur, na Riviera Francesa, como meu destino?

Sempre fui muito fã do Sul da França pelas belas paisagens, sotaque típico e pelo contexto histórico do ambiente. Além disso, meu professor de francês – que se mudou de Lyon para dar aulas no Brasil – me indicou Nice como uma das melhores opções para quem quer estudar o idioma, principalmente devido ao bom preço e à temperatura agradável.

Além disso, descobri que as aulas e a metodologia da escola são surreais. A velocidade que se aprende é indescritível, além da capacidade de se comunicar, que aumenta após cada dia. Eles focam e trabalham no desenvolvimento, envolvendo a cultura diversa dos alunos: tem brasileiro, holandeses, japoneses, hondurenhos.

>>> LEIA TAMBÉM: Brasil terá 98 novas frequências de voos internacionais, incluindo Itália, Portugal, França, UK, Chile e EUA

O que destacaria como mais marcante na experiência até agora?

Acredito que não tive um grande choque cultural, pois o lugar é incrível e não encontrei nada muito diferente do que se lê sobre o dia-a-dia francês, como a falta do banho durante um período longo. Também não foi a primeira experiência de intercâmbio para mim, então já viajei preparado para qualquer coisa.

Até agora, já vivi inúmeras experiências marcantes. Porém, a melhor sensação foi visitar o Vilarejo Èze. Antes de planejar meu intercâmbio ou pelo menos imaginar ter essa oportunidade de estudar na França, eu sempre pesquisava sobre este lugar.

Não sou nada convencional, poderia ter escolhido Paris, Bélgica ou qualquer nação francófona para ir. Contudo, lugares simples e com contextos históricos bem elaborados me agradam mais. Foi como estar num cenário de filme medieval, adorei.

Qual conselho daria para quem também quer estudar na França?  

Meu conselho número 1 é pesquisar e calcular todos os valores e quantidade de meses que serão necessários para levantar o dinheiro. Baixar aplicativos que gerenciam melhores preços de passagens, alimentação e etc. Um bom exemplo: entrar por Portugal ou Holanda costuma ser mais barato que qualquer outro país europeu.

Viajei com a moeda brasileira muito desvalorizada, portanto, acho interessante focar no intercâmbio. Pense sobre qual é o propósito da sua viagem. Realmente compensa comprar eletrônicos, roupas ou perfumes ? Ou é melhor salvar essa grana pra conhecer o maior número de países possíveis.

Contratar uma agência ou planejar tudo sozinho para o intercâmbio?

Muitas pessoas acham desnecessário contratar agência de intercâmbio. Particularmente, foi a melhor coisa que eu fiz. Vou te contar porque considero tão importante ter o suporte de alguém nesse processo, principalmente um profissional que já conheça bastante do mercado.

Lembro que na última semana de trabalho, estava treinando a pessoa que cobriria minhas férias: eu ia viajar dia 01/12 às 14h. Um dia antes do embarque, 30/11, não tinha conseguido parar um minuto para resolver os últimos detalhes da viagem. E aí, o que fazer?

Foi só enviar uma mensagem para a Manu (Emanoela Ribeiro – Diretora Executiva da Globe Trotter), falando que eu iria precisar de alguns serviços. Ela já deixou tudo pronto (Euro, chip, seguro viagem, todos os documentos pertinentes para imigração etc..) e no final da tarde eu passei na agência.

Além disso, tenho o suporte que preciso antes, durante e após a viagem. Super indico!

Quer fazer como o Marcos Barbosa e se planejar para viver o seu intercâmbio no exterior durante as férias? Clique aqui e fale conosco ou entre em contato pelo WhatsApp (31) 984341753, telefones (31) 3309-6224 / (31) 3309-6240 ou pelo e-mail: contato@gtintercambio.com.

Blog #GenteQueViaja – Produção e Edição: Milson Veloso – Jornalista, mestre em Comunicação Social, especialista em Comunicação Digital e viajante.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *